Rafael Procopio
Secretária de Educação Claudia Costin na Sala dos Professores

Na quarta-feira, 29 de junho de 2011, o dia estava ensolarado. Foi neste dia que, com muito orgulho, recebemos a ilustre visita da nossa Secretária de Educação, Claudia Costin, à nossa Unidade Escolar.

Aceitando um convite feito pelo Prof. Rafael, a Secretária chegou à Rosa da Fonseca acompanhada por outros representantes da SME e da 8ª CRE. Sentamos todos à mesa da Sala dos Professores e começamos a conversar agradavelmente sobre algumas questões da nossa escola e angústias pelas quais passamos até mesmo em outras escolas. A Secretária, sempre muito agradável e tranquila, nos passou toda a confiança do mundo. A Profª Patricia Nogueira, Coordenadora Pedagógica da Rosa da Fonseca, falou bonito quando disse que os melhores professores da rede municipal estavam lotados na nossa escola.

Coordenadora Pedagógica Patricia conversando com a Secretária

Depois da conversa a Secretária teve contato com os alunos formados no pátio da escola e pôde conversar diretamente com eles sobre acreditar nos sonhos e sempre ter o foco no futuro. Ao 9º ano foi alertado a importância da Prova Brasil em novembro.





Seguimos então para a Sala de Vídeo, onde apresentamos à Claudia Costin o nosso mais novo lançamento cinematográfico, o curta-metragem de 9 minutos "Chega de Bullying - Versão Estendida", com a presença de toda a turma 1901, responsável pelo filme. O final da exibição mostrou o quão orgulhosa a Secretária ficou do resultado do nosso curta, pois ela mostrou interesse em passar o vídeo em todas as outras escolas da rede, o que nos deixou muito orgulhosos.

Secretária conversando com nossos alunos

Foi um dia excelente, de muita boa conversa e de excelentes perspectivas para o futuro da nossa escola, que está prestes a se tornar centenária.

Parabéns a todos os alunos e funcionários da Escola Municipal Rosa da Fonseca, que fazem daquele lugar uma segunda casa para nós. Ali não é considerado um lugar de trabalho, mas sim de convívio social e de produção de conhecimento. Adoramos estar ali e sentimos falta uns dos outros. Realmente, é uma escola diferenciada.

Grande abraço do Prof. Rafael, mais um orgulhoso representante da Escola Municipal Rosa da Fonseca.
8 Responses
  1. Realmente Rafa,a Rosa da Fonseca é um lugar diferenciado para trabalhar.
    Patricia Nogueira-Coordenadora Pedagógica


  2. Caroline Says:

    Porque a Rosa da Fonseca é um lugar diferenciado? Enfrentamos os mesmos problemas de várias outras escolas da rede e, de forma mais geral, de milhares de escolas brasileiras. Convivemos com o descrédito da sociedade na educação pública, com famílias ausentes que sequer acompanham a freqüência de seus filhos na escola, com a violência, com as drogas, com o desrespeito. Desrespeito que não vem só dos alunos, mas também de uma política de educação que tem nos massacrando há anos e cada vez mais coloca em risco nossa integridade profissional, retirando pouco a pouco direitos conquistados; ameaçando nossa autonomia pedagógica, definindo metas arbitrárias, alterando constantemente as regras, pressionando para alcançar resultados irreais e desconsiderando as particularidades de cada comunidade, de cada turma. Definitivamente, a escola Rosa da Fonseca não é um lugar diferenciado! Somos uma escola como muitas na cidade do Rio de Janeiro. Mas se apesar de todas essas dificuldades ainda conseguimos desenvolver um trabalho digno, com muita seriedade (e além disso tudo nos tornamos amigos) é porque temos um grupo formado por profissionais comprometidos com a educação e com o ser humano, como em tantas outras escolas... A educação não é algo a ser conquistado aqui ou ali, por um ou por outro, com privilégio de um ou de outro. A educação pela qual eu luto é algo que deve ser assegurado a todos: quando o nosso trabalho for realmente levado a sério e a Rosa da Fonseca se orgulhar mais por ser igual que diferente, então estaremos caminhando nessa direção.

    Profa. Caroline Fernandes


  3. Carol, não sei se vc já deu aula em outras escolas de rede municipal. Eu já rodei por algumas da 8ª CRE. Por tudo que já vi e vivi por aí, eu considero a nossa escola diferenciada sim. É difícil se ter numa escola quase todos os profissionais comprometidos como eu vejo na Rosa. Eu me sinto muito bem indo trabalhar, adoro meus alunos, adoro meus colegas de profissão.

    Concordo contigo em muitas das coisas que vc diz. Concordo que deveríamos ter as escolas municipais todas iguais. Mas as escolas são formadas por seres humanos e sabemos que nós não somos iguais e temos conflitos de interesses. Concordo que temos perdido muita coisa, mas ainda assim a gente luta e consegue fazer um bom trabalho (na minha opinião).

    Obrigado pelo seu ponto de vista, mas eu continuo achando a nossa escola uma escola diferenciada em relação a todas as outras que eu já conheci.

    Prof. Rafael.


  4. Este comentário foi removido pelo autor.

  5. Este comentário foi removido pelo autor.

  6. Este comentário foi removido pelo autor.

  7. Este comentário foi removido pelo autor.

  8. Olá!

    Eu entendo perfeitamente o discurso da Carol, porque sei que ela não está se referindo ao ambiente (relações interpessoais) de trabalho. As relações interpessoais na Rosa da Fonseca, de modo geral, são muito boas.

    Por muitas vezes eu já pensei em largar tudo. Não faz muito tempo, depois de uma crise de desespero com a situação profissional em que me encontro, eu disse que mais nada me dava alegria em estar trabalhando. Depois de conversar com algumas pessoas acabei concluindo que minhas angústias eram com os mandos e desmandos da "REDE" e que não fazia diferença estar lotada na unidade escolar x ou y.

    A Carol se refere, caso eu não tenha entendido errado, a uma política educacional ineficiente, cheia de problemas e vícios. As péssimas condições de trabalho, o descaso social com a Educação, o descuido e abandono de muitas famílias para com os seus filhos, as conveniências políticas ditando as regras das políticas educacionais, os incompetentes ocupando cargos na Educação por causa de acordos políticos para se ganhar eleição, os medíocres aproveitadores que no meio dessa confusão toda só pensam em beliscar o seu carguinho aqui ou ali, enfim, tudo isso e muito mais independe de escola, ou seja, prédio físico. A Carol, parece sofrer da mesma angústia que muitos outros professores da "REDE" sofrem.

    Quando se lê o discurso da Carol com olhos críticos sobre a política pensada para a Educação é impossível não reconhecer a razão, legítima, da indignação dela. Desta forma, eu concordo com ela e compartilho da sua indignação.

    Concordo com o Rafa no que diz respeito aos profissionais da Rosa da Fonseca. Mas, acho que a Carol também concorda. Pra encerrar o meu discurso, penso que a Carol quis dizer o seguinte: A E. M. Rosa da Fonseca não é o Salgueiro! Logo, não cabe dizer: "Nem melhor, nem pior, apenas uma escola diferente." Rsrs...E tenho dito!

    Bj pra todos.


Postar um comentário