Alexandra Ferreira



''Nasci com um dom, e quero dividir com todos''
Romero Britto





Eileen Guggehheim sobre Romero Britto em 1/1/2006

As pinturas de Romero Britto transpiram alegria. Britto retrata um mundo onde a felicidade e a serenidade imperam: há casais dançando, gatinhos sorrindo, peixes voadores saltando à tona, flores desabrochando e amantes se beijando. Para atingir emoções tão delicadas, Britto criou sua própria linguagem pictórica. Com cores brilhantes, formas harmoniosas e desenhos agradáveis, sua arte precisa ser absorvida em termos próprios.

A alegria de viver, expressada na obra de Britto contrasta de forma dramática com as dificuldades de uma infância pobre. Criado nas favelas do Recife, Brasil, e educação que recebeu poderia ter-se refletido numa arte soturna ou melancólica. Entretanto apesar das muitas adversidades sofridas na infância, o artista resolveu criar uma arte otimista, isenta de ansiedade e medo. Diz ele:

“Não creio que devamos viver isolados ou falar de coisas terríveis. Pessoalmente, não gosto de debater os problemas do mundo, prefiro falar sobre soluções. Hoje em dia os jornais publicam casos pavorosos e más notícias. Eu, ao contrario de tudo isso, creio em minha arte e no poder de uma mensagem positiva. Quando era jovem, a vida me parecia um pesadelo. Tudo parecia desmoronar ao meu redor. Agora meu mundo é minha arte. Em meu estúdio, debruçado sobre telas, posso criar e controlar um mundo pequeno, perfeito, que posso compartilhar com todos. Por que haveria de compartilhar os meus pesadelos?”

O otimismo de Britto não representa somente o contraste com a sua própria educação, mas uma resposta à historia da arte ocidental. Ao lhe perguntarem qual foi o seu primeiro contato com a arte e qual pintor ou imagem o impressionaram inicialmente, replicou: “Caravaggio impressionou de forma marcante. Uma vez, meu irmão que era vendedor de livros de arte e enciclopédias, deu-me um livro a respeito de Caravaggio. Claro que nunca havia estado na Europa e não havia visto nenhuma obra dos velhos mestres. O que mais me impressionou foi a violência que emanava da obra de Caravaggio, como se estivesse cortando gargantas. Soube no mesmo momento que aquilo representava tudo o que eu não queria ver em minhas obras.”...

...“Creio que todo ser humano deve tentar fazer o bem para alguém. Há tantas formas pelas quais se pode fazer isso! Minha arte pode ser um instrumento de ajudas as pessoas. Que sensação maravilhosa saber que posso conseguir isso com a minha arte.”

Uma arte de alegria e prazer que tantas pessoas em todo o mundo apreciam. É este, na realidade o grande dom de Romero Britto.




"A linguagem artística de Romero Britto produz uma arte que cura a alma de doenças como o pessimismo e a tristeza, deixando mais leve o coração da gente."

Alexandra Ferreira



Agora, queridos alunos das turmas 1601, 1603, 1604, 1605, nosso trabalho é produzir releituras das obras de Romero Britto.

Bj pra vcs.


Categoria: edit post
5 Responses
  1. Adoro as obras de Romero Brito!!! Tive a oportunidade de visitar algumas de suas obras no Museu de Belas Artes e me encantei.
    Sua mensagem positivista me atrai muito.
    Mais uma vez parabéns pela bela postagem.
    Patricia Nogueira - Coordenadora Pedagógica


  2. Alexandra, tô adorando a sua proposta de interatividade. Seus posts vão bombar com a participação dos alunos. Tô pensando numa maneira de fazer a mesma coisa.

    Muito legal este post. Já havia ouvido falar sobre esse artista, mas agora pude conhecê-lo melhor.

    Até!


  3. Rafa e Patrícia, obrigada pelo incentivo! Eu realmente estou muito entusiasmada com o Blog e com a resposta dos alunos.

    Bjs.


  4. Ah, Patrícia!

    Eu escolhi Romero Britto, pq sua arte cura o coração da gente. :-)


  5. Adorei o seu post! Amo o trabalho do Romero Brito. Inconfundível. Qdo a gente bate o olho já sabe q a obra é dele. Além de passar alegria e energia com suas telas.


Postar um comentário